4 métricas mais comuns para mensurar os resultados do seu negócio

Todo empreendedor ou gestor de um negócio tem como um dos seus principais objetivos evoluir as atividades da empresa e garantir seu crescimento. Essa tarefa, no entanto, pode apresentar grandes desafios para a administração, pois devido à grande competitividade do mercado, a cada dia aumentam as exigências de qualidade de serviços e de atendimento. Por isso, o gestor deve buscar estratégias para otimizar os seus processos, como é o caso das métricas de negócio.

Essas ferramentas de análises nada mais são que indicadores de desempenho. É por meio deles que você consegue estudar o andamento de uma campanha, identificar problemas em uma etapa de produção, verificar os resultados de uma meta, entre outras funções. Por isso, as métricas representam um grande valor para o trabalho de gestão de uma empresa.

Entretanto, mesmo sendo de grande necessidade, muitos empresários não têm o conhecimento sobre a importância desse tema e acabam não conseguindo avançar em seus projetos. Para ajudar nessa questão, preparamos este post contendo as 4 métricas mais comuns para PMEs, bem como outras informações relevantes sobre o tema. Continue a leitura e fique por dentro de tudo.

Quais os principais benefícios de estabelecer métricas?

Estabelecer métricas em sua empresa é uma excelente forma de garantir a eficiência da sua gestão. Além disso, esses indicadores proporcionam várias vantagens para a administração. Confira agora os 3 principais benefícios:

1. Contribui para mensurar os resultados da empresa

A primeira grande vantagem da leitura de métricas é entender de forma clara a situação real do empreendimento. Com todos os dados e resultados dos indicadores devidamente analisados, é possível mensurar a produtividade da empresa.

Além disso, os gestores conseguem identificar possíveis problemas que comprometem a qualidade dos serviços internos da corporação, ajudando, assim, a traçar novos caminhos e aumentar a produtividade.

2. Ajuda no planejamento de melhorias

Os empreendimentos que não estabelecem ferramentas de controle de dados e de resultados da empresa acabam perdendo rendimento e não conseguem desenvolver suas atividades. Esse fato pode acarretar a estagnação do negócio e, consequentemente, a desvantagem frente à concorrência.

Por isso, os empreendedores devem trabalhar com os principais indicadores de gestão, pois assim é possível obter informações relevantes que ajudam no planejamento de melhorias, garantido que a empresa esteja se renovando a todo o momento.

3. Auxilia na tomada de decisões

Vale ressaltar também os benefícios do estabelecimento de métricas no gerenciamento dos processos da empresa ligados à tomada de decisões. A esse respeito, qualquer passo ou escolha que o empreendedor realiza define os rumos do negócio. Dessa forma, quando o caminho escolhido não apresenta os resultados esperados, a corporação acaba perdendo tempo e recursos financeiros.

Assim, ao utilizar os indicadores, o empresário consegue enxergar melhor a situação de cada setor da sua empresa, bem como os processos que apresentam baixa produtividade e que precisam de mudanças. Dessa maneira, é possível direcionar esforços para áreas específicas e optar pelo melhor caminho para garantir o aperfeiçoamento dos serviços, pois todas as informações necessárias para a tomada de decisão são fornecidas pelos indicadores da empresa.

Quais são as métricas mais comuns?

Como já citado, os indicadores de desempenho apresentam grande importância para o andamento de uma empresa. No caso de PMEs, existem algumas métricas que todo gestor deve saber. Veja agora quais são as 4 principais:

1. Lucratividade

O lucro é um dos resultados mais importantes para uma empresa, pois define se o negócio vai bem ou se os processos internos não estão no caminho certo. Por isso, avaliar constantemente essa métrica é de grande necessidade para qualquer ramo de empreendimento. Para analisar os dados de lucratividade operacional, além de somar notas fiscais emitidas, é preciso avaliar também todas as despesas do mês.

Isso porque o lucro real deriva de um saldo positivo entre a diferença da receita (montante total do que foi vendido) da empresa e seus gastos (contas da instituição, salários de funcionários, investimentos internos, compra de mercadorias etc.) durante um determinado período. Vale ressaltar que os gestores devem estudar esse indicador frequentemente, pois assim é possível saber se os procedimentos adotados pela corporação estão no caminho certo.

2. Ticket médio

O ticket médio está relacionado aos resultados diretos de vendas para os consumidores de seus serviços. Basicamente, essa expressão considera o valor médio de gastos que o seu cliente realiza a cada compra. Logo, essa métrica não apresenta um resultado pré-definido, pois pode variar de acordo com os serviços que a sua empresa oferece.

Entretanto, o que é válido para todos os empreendimentos é a busca de estratégias e esforços para sempre aumentar o ticket médio do seu negócio. Isso porque quanto mais os clientes gastarem com os seus produtos, maior será o seu lucro final com as vendas. Portanto, esse indicador possibilita aos gestores planejarem metas e objetivos para potencializar os resultados internos.

3. ROI

Outra métrica fundamental para os pequenos e médios empreendimentos é o ROI, que na tradução portuguesa significa Retorno Sobre Investimento. É um indicador relativamente simples de avaliar, mas que apresenta grande importância para o negócio. Ele diz, por meio de dados financeiros, qual foi a eficiência de um determinado investimento.

É a partir do ROI que a empresa consegue identificar os resultados específicos de cada tática de crescimento e compreender o que faz realmente sentido para o negócio. Com essas informações fica mais fácil decidir para qual estratégia direcionar maiores esforços e quais devem ser eliminadas do processo, aumentando a eficiência na tomada de decisões.

4. Rotatividade

Por fim, vale destacar a rotatividade de funcionários da empresa como um importante indicador. Quando essa taxa é elevada, significa que os colaboradores não estão tendo motivação com as atividades do negócio, apresentando um baixo engajamento. Isso pode gerar perdas financeiras devido aos gastos com treinamento de novas equipes, além das despesas vinculadas à saída de um funcionário.

É mais vantajoso para a empresa valorizar e investir na motivação da sua equipe que investir em novas contratações. Para que os gestores consigam avaliar melhor essa questão, a taxa de rotatividade é uma excelente métrica.

Essas foram as principais informações sobre métricas de negócio e a sua utilidade na gestão da empresa. Vale ressaltar a importância do papel do gestor em monitorar e analisar o desempenho das métricas para que os resultados do empreendimento cresçam cada vez mais.

Gostou do artigo e quer saber mais sobre gestão e empreendedorismo? Então assine a nossa newsletter e fique por dentro de nossas atualizações!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não quer perder nada?
Então faça o seu cadastro!

Prometemos não enviar spam!